CD PL 2182/2011

Resumo executivo do PL n° 2182 de 2011

Autor: Homero Pereira (PR/MT) Apresentação: 31/08/2011

Ementa: Altera a Lei nº 9.972, de 2000, que institui a classificação de produtos vegetais, subprodutos e resíduos de valor econômico, e dá outras providências.

Orientação da FPA: Favorável ao projeto

Comissão Parecer FPA
Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPADR) 23/11/2011 – Parecer do Relator, Dep. Oziel Oliveira (PDT-BA), pela aprovação, com substitutivo. Inteiro teor 

28/03/2012   01:00 Reunião Deliberativa Ordinária 
Aprovado por Unanimidade o Parecer.

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) 30/05/2012 – Parecer do Relator, Dep. Alceu Moreira (PMDB-RS), pela constitucionalidade, juridicidade e técnica legislativa, nos termos do substitutivo da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural. Inteiro teor 

19/03/2014   01:00 Reunião Deliberativa Ordinária 
Aprovado o Parecer. Apresentou voto em separado o Deputado Osmar Serraglio.

Principais pontos

  • Altera a Lei nº 9.972, de 2000, estendendo a obrigatoriedade de classificação dos produtos vegetais, seus subprodutos e resíduos de valor econômico a todas as ocasiões em que estes forem objeto de comercialização, seja no mercado doméstico ou nas operações de importação e exportação.

Justificativa

  • Os produtores rurais chegam a receber 40% a menos do valor justo de sua produção, devido à realização de um processo de classificação arbitrário de sua soja grão junto às empresas compradoras.
  • Pela característica do mercado brasileiro, no qual existe uma maior concentração de empresas compradoras de grãos do que em outros mercados, como o norte-americano, e também devido à baixa capacidade de armazenagem em nível de fazenda, cria-se um desequilíbrio de força, no qual os produtores quedam com uma posição de menor poder de negociação.
  • Estudo realizado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) que classificou mais de 500 amostras de soja antes destas chegarem as empresas compradoras evidenciou consideráveis diferenças tanto para mais como para menos nos percentuais adotados pelas empresas, assim como diferenças nas metodologias de classificação adotadas.
  • É necessário, portanto, se determinar em lei a adoção de um padrão oficial de classificação para os produtos vegetais, a exemplo do que já ocorre para produtos animais, para sanar a lacuna deixada legal que tanto tem prejudicado os sojicultores brasileiros.
0 respostas

Deixe uma resposta

Quer comentar?
Basta preencher o formulário abaixo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *